Festival Bike: feira de Santarém recebeu 21.500 visitantes, segundo a organização

A 14ª edição do Festival Bike – Festival Internacional da Bicicleta, Equipamentos e Acessórios e Salão de Ciclismo Profissional que decorreu de sexta – feira até domingo no Centro Nacional de Exposições, em Santarém, recebeu 21.500 visitantes, segundo dados da organização. Esta Feira acolheu vários eventos paralelos e, apesar de uma boa afluência em termos de público, teve menos espaço de exposição.

 

Ao longo de três dias o Festival Bike foi o espaço privilegiado para conhecer algumas das novidades do mercado e um ponto de encontro para todos aqueles que de forma profissional, desportiva ou de lazer estão ligados a este ramo.

Segundo dados do CNEMA, estiveram 105 expositores presentes, mas foi notória a ausência de muitas marcas de renome. Ao contrário de outros anos, o Festival Bike teve apenas um pavilhão, o que gerou alguns comentários tanto de expositores presentes, como de visitantes.

Contudo, o conjunto de eventos paralelos que se realizaram, incluindo a Maratona de BTT e o Granfondo (que decorreu durante o sábado e domingo), apenas para citar alguns exemplos, foram importantes para o afluxo de visitantes, bem como a presença de algumas individualidades mediáticas, nomeadamente alguns ciclistas da Efapel, Raúl Alarcon e Gustavo Veloso da W52-FC Porto, a triatleta Vanessa Fernandes, os betetistas David Rosa e Emanuel Pombo, entre outros. A organização refere que nos eventos estiveram presentes 5232 participantes.

Foi ainda possível assistir à apresentação de alguns eventos e conceitos pioneiros em Portugal, bem como conhecer in loco alguns protótipos, como um novo selim da marca Gelu com carris incompletos.

No cômputo geral ficou uma sensação no ar de que o público final – ou seja, os consumidores – continuam com vontade de regressar à feira e tomar contacto privilegiado com as novidades do mercado. Todavia, para algumas marcas o Festival Bike aparenta não estar a cumprir o propósito que ambicionavam. O facto de existir uma feira de renome no país vizinho – a Unibike, em Madrid – é justificativo para a ausência de algumas marcas internacionais (e algumas delas apostam em eventos privados para os seus clientes de retalho), mas o público final não chega a ter contacto com os produtos.

Esperemos que a feira se mantenha pois é importante para o mercado como polo dinamizador, como local de troca de ideias e centro de negócios, mas também é um local privilegiado para os fãs do mundo das bicicletas decidirem quais serão as suas próximas aquisições.